Tim Rescala, estudou teoria musical e piano na UFRJ de 1976 à 1978 e na Escola de Música Villa-Lobos.

Em 1979, nesta mesma escola, estudou contraponto e arranjo com Hans-Joachim Koellreutter, com quem passou a estudar composição até 1983. Ainda neste ano, licenciou-se em música pela UNI-RIO. Em 1979 ganhou o primeiro prêmio do Concurso de Composição da Escola de Música  Villa-Lobos e Colégio da OSB.

Em 1983 recebeu o prêmio Mambembe pela música  das peças Will e A Porta.  Participou de festivais de música contemporânea no Brasil e no exterior, com destaque para o Festival Sonidos de las Américas-Brasil, realizado em abril de 1996, em Nova Iorque, onde apresentou duas obras no Weill Recital Hall, no Carnegie Hall.

Em 1993 recebeu  novamente o prêmio Mambembe pelo texto do musical infantil ” Pianíssimo “. Com a montagem de ” Pianíssimo ” em Belo Horizonte no mesmo ano, recebeu o prêmio Sated.

Em 1995 recebeu bolsa do Rio-Arte para escrever a ópera infantil ” A Orquestra dos Sonhos “, encenada no CCBB-RJ, sendo também lançada em CD  (o primeiro do Brasil no gênero), com a criação do selo Pianíssimo. Por seu musical infantil, Papagueno,  recebeu o prêmio Mambembe de 1997 pelo melhor texto e o prêmio Coca-Cola pela melhor música. Recebeu mais dois troféus Mambembe pela realização de dois dentre os cinco melhores espetáculos de 1997, Papagueno e A Orquestra dos Sonhos. Também por este último espetáculo recebeu o prêmio Golfinho de Ouro , dado pelo Governo do RJ.

De 1997 a 2000,  foi o apresentador da série Concertos para a Juventude, realizada no Teatro Carlos Gomes, RJ.

1998 estreou a opereta de rua O Homem que Sabia Português , com música e libreto de sua autoria. Por esta obra, recebeu dois prêmios Sesc/Sated de 1999, em Belo Horizonte, pelo melhor texto e pela melhor música e o prêmio Shell de 1999 , RJ, pela melhor música. Estreou no Sesc Ipiranga, em São Paulo a ópera  A Redenção pelo Sonho, com música e libreto de sua autoria, sobre a vida e a obra de Monteiro Lobato, sob encomenda do Sesc.

Em 1999 recebeu a Bolsa Vitae para escrever a obra Brincando de Orquestra.

Em 2001 ganhou mais uma vez o prêmio Shell pela música do espetáculo Um trem chamado do desejo, do Grupo Galpão, de Belo Horizonte.

Sua peça Pianíssimo, traduzida e dirigida por Tania Costa, tornou-se a primeira peça infantil a ser apresentada na Comédie Française de Paris, desde sua fundação. A mesma diretora montou também Papagueno,  apresentada em várias cidades francesas em 2002 e 2003. Neste mesmo ano, escreveu mais uma ópera infantil, O Cavalinho Azul, sobre texto de Maria Clara Machado, encenada no teatro Tablado.

Em 2002, ao lado de Arrigo Barnabé e Guto Lacaz, escreveu e encenou a ópera 22 Antes Depois, no Sesc Ipiranga de São Paulo, comemorando os 80 anos da Semana de Arte Moderna de 1922. Em novembro deste ano, lançou pelo selo Pianíssimo o CD Romance Policial, contendo sete obras de teatro musical. Pelo mesmo selo, lançou em 2003 o CD Desritmificações , o primeiro do Quinteto Tim Rescala. Outro CD do selo Pianíssimo, Contos, cantos e acalantos, deu a José Mauro Brant e Tim Rescala o Prêmio TIM de melhor CD infantil de 2002.

Em 2004 escreveu texto e música do musical infantil A Turma do Pererê, baseado na obra de Ziraldo. Tendo alcançado grande sucesso de público e crítica, a peça foi também gravada em CD no mesmo ano pelo selo Pianíssimo.

Em 2004 e 2005 fez a música para as microsséries Hoje é dia de Maria 1 e 2, para a TV Globo, com direção de Luiz Fernando Carvalho, lançadas em CD pela Som Livre.

Em 2005 tornou-se diretor da Sala Baden Powell, no Rio de Janeiro, ano em que também criou e dirigiu para o Sesc a série Multimúsica, com quatorze concertos didáticos, onde 48 artistas se apresentaram em teatros do subúrbio carioca.

Em 2006 fez a música para o programa Sítio do Picapau Amarelo, da TV Globo, tendo lançado CD com a trilha pela Som Livre. Fez a direção geral do projeto Multimúsica em seu segundo ano consecutivo.

Em 2007 escreveu o musical A moreninha, sobre o romance de Joaquim Manoel de Macedo, para o projeto Bem me quer Paquetá. No mesmo ano fez a música para o filme de animação Histórias da unha do dedão do pé do fim do mundo, de Evandro Salles e Marcia Roth, criado especialmente para a exposição Arte para crianças. Criou e dirigiu a performance audiovisual “ Fuga a sete vozes no labirinto de Escher e Borges”, para o Oi-Futuro, Rio de Janeiro. Participou da fundação da Musimagem Brasil- Associação Brasileira de Compositores de Música para Audiovisual.

Em 2008 fez a música de um novo filme, Sobre dois quadrados,  para integrar nova edição da exposição Arte para crianças. Reapresentou com muito sucesso sua ópera A Redenção pelo Sonho,  no Palácio das Artes, em Belo Horizonte, e no Teatro Nelson Rodrigues, no Rio de Janeiro. Fez a música da minissérie Capitu, de Luiz Fernando Carvalho, tendo gravado CD com a trilha pela Som Livre.

Em 2009  participou como ator, roteirista e produtor musical do programa Criança Esperança. Escreveu o roteiro, fez a direção musical e a direção geral do espetáculo infantil Une, Dune, P de Poesia para o Sesc Pompéia/SP. Regeu a OSN-Orquestra Sinfônica Nacional da UFF em dois concertos: Música brasileira para cinema e televisão e Brincando de Orquestra. Criou e dirigiu a reedição do projeto Multimúsica, incluindo cinco espetáculos didáticos sobre música clássica apresentados nas escolas do Sesi, com o patrocínio da Firjan. Também para a Firjan, em comemoração ao dia da Nacional da Cultura, criou o Piano cronológico, uma instalação onde um piano exibe um pouco da história da música brasileira. Fez a música para o 3º e último filme de animação Suprematismo: 34 desenhos, para a exposição Arte para crianças. Fez a direção musical e atuou como pianista no espetáculo Miranda por Miranda, de Stella Miranda, apresentando no Sesc Ginástico, RJ, pelo qual recebeu o prêmio Shell.

Em 2010 fez a música do espetáculo “O sonho do cowboy”, criado e dirigido por Maicon Clenk para o Parque Beto Carrero World. Fez a música original da mini-série “ Afinal, o que querem as mulheres?”, de Luiz Fernando Carvalho, lançada em DVD e CD pela Som Livre. Compôs a peça “ Sete Vezes”, para quinteto de sopros, quarteto de cordas e piano, por encomenda da Funarte, para ser estreada na Bienal de Música Brasileira Contemporânea, em 2011. Fez a música do documentário de curta-metragem “ Se meu pai fosse de pedra”, de Maria Camargo, sobre o escultor Sérgio Camargo.

Em 2011 criou e apresentou o programa semanal de música clássica para crianças Blim-Blem-Blom para a rádio MEC FM, Rio de Janeiro. Compôs uma suite orquestral do mesmo nome, utilizada como abertura e música incidental do programa. Fez a música incidental para a exposição “ O que é preciso para voar”, de Brígida Baltar, no Oi-Futuro, Rio de Janeiro.

Em 2012 foi contemplado com o edital FAM (Fundo de Apoio a Música) da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro para a realização de um DVD da peça Brincando de Orquestra, com a Orquestra Petrobrás Sinfônica. Sua composição Quarteto Circular,  incluída no CD “Na Cadência do Silêncio” (lançado em 2011), foi indicada ao Grammy Latino na categoria MELHOR COMPOSIÇÃO CLÁSSICA CONTEMPORÂNEA. Sua peça Desdobrado, para quinteto de metais, foi escolhida pelo público da Bienal de Música Brasileira Contemporânea como uma das melhores apresentadas. Escreveu a peça Melodia partida em três, para oboe, fagote e piano, dedicada ao trio Solter, Justi-Fagerlande, que a registrou em CD.

Em 2013 recebeu o prêmio APTR de 2012, categoria melhor música , pelo seu trabalho na peça Era uma vez Grimm. Participou do projeto “Ano do Brasil em Portugal”  da FUNARTE com o espetáculo Miranda por Miranda com Stella Miranda. Fez a música do documentário de longa-metragem À queima roupa, de Thereza Jessourum, premiado do Festival de Cinema do Rio de Janeiro. Fez a música do especial Alexandre e outros heróis, da TV Globo, dirigido por Luiz Fernando Carvalho, indicado ao Emy. Por encomenda do Ciclo de Ópera Contemporêna de Buenos Aires, escreveu música e libreto da ópera O Perigo da arte, apresentada no ano seguinte na Sala Cecília Meireles e escolhida pelo Jornal O Globo com um dos 10 melhores espetáculos do ano.

Em 2014 fez a música original da novela “Meu pedacinho de Chão” de Luiz Fernando Carvalho, lançada CD pela Som Livre. Foi contemplado com o edital FAM (Fundo de Apoio a Música) da Secretaria Municipal de Cultura do Rio de Janeiro para a construção do site de continuidade do projeto Brincando de Orquestra.  Recebeu pelo programa Blim-Blem-Blom transmitido pela Rádio MEC FM Rio de Janeiro desde 2011, Menção Honrosa na categoria “Programa para crianças” da 10ª Bienal Internacional de Rádio no México. Fez a música da peça O pequeno Zacarias, com texto e direção de José Mauro Brant, baseadas em contos de Hoffmann, recebendo novamente o prêmio APTR de 2014 de melhor música.